• Caminhos Investigativos da Pedagogia Social: cartografias pedagógico-sociais
    v. 14 n. 1 (2022)

    EDITORIAL RPS XIV

    Bem-vindos ao décimo quarto número da Revista de Pedagogia Social (RPS-UFF), da Universidade Federal Fluminense, CAMINHOS INVESTIGATIVOS: cartografias pedagógico-sociais.

    Temos como principal objetivo ampliar e divulgar o conhecimento teórico-prático produzido acerca da Pedagogia Social, construída no Brasil e no mundo; o volume XIV será inteiramente dedicado ao trabalho realizados na Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense, por intermédio do Grupo de Ensino, Pesquisa e Extensão em Formação Inicial e Permanente de Educadores de Crianças e Jovens em Situação de Vulnerabilidades: Pedagogia Social Para o Século XXI (Projeto PIPAS-UFF).

    CAMINHOS INVESTIGATIVOS: cartografias pedagógico-sociais, porque o presente número contará com reflexões, teórico-práticas, sobre o encontro com a Pedagogia Social de cada integrante do Projeto PIPAS-UFF; assim como suas frentes de trabalho, pesquisa e produções. Abordará ainda, uma perspectiva histórica da concepção, fundação e execução do Projeto. Incluirá ainda uma agenda de trabalho para a atual década, marcada por Políticas Públicas de Educação Social e Direitos Humanos.

    A Revista de Pedagogia Social da UFF de número XIV (RPS-UFF XIV) constitui-se em um projeto de partilha intelectual, ao abordar os processos constituidores e constituintes de um saber-fazer em Pedagogia Social. Um legado e uma herança; uma esperança e uma transcendência. Representa um caminho investigativo, que aponta para a construção de práticas de pesquisa, dialógicas, éticas e solidárias: a serviço da vida e em prol da humanidade.

    É com alegria que entregamos à comunidade, um acervo de histórias e memória do Grupo de pesquisa que, há duas décadas sonha e realiza uma pedagogia que TOCA ALMAS, transforma vidas, instaura pactos e estabelece poder: Uma Pedagogia humana, simples e, por isso, revolucionária. Uma pedagogia semente, fruto do cuidado e do cultivo intelectual e pedagógico: a Pedagogia Social da Universidade Federal Fluminense.

    Em contextos de emergências nos movemos, nos constituímos e nos formamos. Trabalhamos com a Educação dos Sentimentos, para a cultura da PAZ. Espalhar o Bom, o Belo e o Bem, por onde vamos, é a nossa meta. Damos à luz a uma inspiração por meio da qual nossa humanidade é exercida, nossa intelectualidade traduzida e, nosso compromisso político-social se realiza. Nesse fazer pedagógico humanizamos e resgatamos a nossa humanidade, no exercício de uma ciência rigorosa a nos moldar nas práxis do servir, do conviver, do compreender e do devir.

    Ótima leitura! 

    Margareth Martins de Araújo

    Editora Executiva        

  • A EDUCOGENIA DE PIERRE FURTER: A COMUNIDADE TAMBÉM EDUCA
    v. 13 n. 3 (2021)

    EDITORIAL RPS XIII

    Sejam bem-vindos ao décimo terceiro número da Revista de Pedagogia Social da Universidade Federal
    Fluminense (RPS-UFF)! É final de mais um ano atípico, no qual a humanidade precisou olhar para si e
    para o que se passa ao seu redor, exigiu movimentos de superação, deslocamento do olhar para o
    semelhante e servir, semeando a paz, a esperança, a compaixão e a gratidão. É tempo de compreender
    e aprender uns com os outros e reafirmar nossa humanidade disseminando solidariedade, nos forjando
    mais misericordiosos, éticos e felizes.
    Em dezembro temos por tradição a troca de presentes, porém o mais importante, de acordo com a
    perspectiva da Pedagogia Social, é nos fazer presente na vida cotidiana de alguém, no trabalho
    realizado, na sociedade em que vivemos e no planeta por nós habitado. Desta feita, a RPS-UFF, foi
    presenteada com um volume internacional, sob os auspícios do Dr. Mario Viché González, editor da
    revista “Quaderns d’ Animació i Educació Social” e professor da Universidade de Valencia. Ele nos
    brindou com importantes produções, de renomados autores espanhóis. Trata-se de um dossiê temático
    sobre Pierre Furter (1931- Genebra, 2019), filósofo e pedagogo, foi professor da Uninersidade de
    Genebra, consultor e técnico de programas educativos da UNESCO e escritor. Amigo de Paulo Freire
    trabalhou no Brasil e pelo mundo, ampliando e fortalecendo estudos sobre o papel educativo da
    comunidade: Edugenia.
    Eis a terceira edição que compõe a trilogia em homenagem á Paulo Freire. O ano de 2022 está chegando
    com novos desafios a serem enfrentados e novas possibilidades de superação. Trabalhemos em prol de
    uma sociedade feliz, capaz de chamar para si a responsabilidade de ser e estar presente. Sigamos de
    mãos dadas na travessia de mais um ano. Que seja próspero! Feliz Você de novo, no Ano Novo!
    É uma honra contar com a generosidade e expertise de autores alinhados com o humanismo que
    projeta uma sociedade alicerçada em valores como amor, servir, ética, solidariedade e partilha como
    mola propulsora de novos tempos e bons ventos que estão por vir.
    Gratidão Furter
    Gratidão Freire!

    Excelente leitura!
    Margareth Martins de Araújo
    Editora Executiva

  • Pedagogo Social: Projeto de Futuro à Humanidade
    v. 12 n. 12 (2021)

     

    EDITORIAL RPS XII

     

    Bem-vindos ao décimo segundo número da Revista de Pedagogia Social (RPS-UFF), da Universidade Federal Fluminense!

    Dando continuidade à comemoração dos cem anos do nascimento de Paulo Freire, Patrono da Educação Brasileira, terceiro educador mais citado no mundo, acumulou trinta títulos de “Doutor honoris Causa”, criador do método inovador no ensino da alfabetização para adultos, seu método foi levado para diversos países; teremos como tema: Pedagogo Social Projeto de Futuro à Humanidade. Em plena pandemia ousamos comemorar e traduzir nossos sentimentos em produção científica pautada no humanismo freireano. Viva Paulo Freire!

    O presente número abrigará reflexões teórico-práticas acerca dos diálogos possíveis entre a Pedagogia Social e a teoria freireana, como exercício de resistência, superação e ética. Visamos à produção de um conhecimento prudente para uma vida decente como sinaliza Boaventura. Escrevemos como forma de resistência ao vírus, ao apagamento da memória de Freire.  Engrossamos as fileiras daqueles que, com esperança, nutrem o sonho de dias melhores.

    Em tempos de desafios extremos é preciso exercitar novas e múltiplas possibilidades de intelegir o mundo, comunicar a descoberta com coragem, ousadia e sem medo. Quanto maior o desafio, maior será possibilidade de crescimento e fortalecimento de vínculos humanos na busca de um fazer científico pautado na emancipação humana como direito histórico politico e social.

    Ótima leitura!                                                                                                                

                                                            Margareth Martins de Araújo

                                                                      Editora Executiva

     

     

     

     

  • 2021, Centenário do Nascimento de Paulo Freire: Paulo Freire entre Nós
    v. 11 n. 1 (2021)

    EDITORIAL RPS XI

     

    Bem-vindos ao décimo primeiro número da Revista de Pedagogia Social (RPS-UFF), da Universidade Federal Fluminense!

    A pandemia continua traçando contornos mais rigorosos. Travamos uma luta contra ela, alternando distanciamento com confinamento, encontramos no trabalho de produção intelectual a lucidez necessária para denunciar, anunciar e propor formas de resistência. Lutamos pela vida, na vida e em vida. Somos educadores sociais do nosso tempo, do tempo presente e por ele marcados. Seguimos conectados em redes colaborativas, como forma de expressão permanente de um saber-fazer amoroso e intelectualmente inquieto e comprometido com a emancipação humana. É a nossa ARTE, expressão maios de amor, luta e formação. É antídoto!  A arte nos salva. Herança freireana promotora e reveladora de uma sociedade mais ética, humana e feliz.

    Em 2021 comemoramos o centenário do nascimento de Paulo Régulos Neves Freire, educador, filósofo e autor brasileiro.  Patrono da Educação do país é o principal autor da área de Pedagogia Social. Também é considerado um dos pensadores mais notáveis da história da pedagogia mundial. Nada mais justo do que prestar lhe uma singela homenagem, através do reconhecimento da importância da sua obra para os Educadores Sociais.

    Sob o título: 2021-Centenário do Nascimento de Paulo Freire: Paulo Freire Entre Nós, contamos com produções, frutos de reflexões, teórico-práticas que dialoguem com a obra de Freire e explicitam suas contribuições à Pedagogia Social. Certamente uma boa leitura recomendada aos que optam pela formação intelectual pautada pelo estilo político-social frereano.

    Ótima leitura!                                                                                                               

    Margareth Martins de Araújo                                                                                      

    Editora Executiva

    ISSN 2517-0974

  • Pedagogia Social PEDAGOGIA SOCIAL NAS MÍDIAS SOCIAIS: PROJETO DE FUTURO À HUMANIDADE
    v. 10 n. 2 (2020)

     

    EDITORIAL

    Bem-vindos ao decimo número da Revista de Pedagogia Social, da Universidade Federal Fluminense (RPS-UFF)! Desta feita abordaremos o tema: PEDAGOGIA SOCIAL NAS MÍDIAS SOCIAIS: PROJETOS DE FUTURO À HUMANIDADE, através de artigos, resenhas, ensaios acadêmicos e poesias. Abordaremos o fazer científico que comunica diretamente a sociedade, tomando para si os desafios da mesma. É comunicação, conhecimento e investigação, mas também é produção científica marcada pelo seu tempo-espaço de inquietações e possibilidades.

    Contaremos com reflexões oriundas do aprendizado, advindo do compromisso do servir, em plena pandemia; impactando vidas e dando o próximo passo. Não temos respostas; apenas acolhimento, escuta, diálogo e orientação. Nossa proposta é, através das pesquisas, já em curso, vivermos juntos, um dia de cada vez, desmistificando os discursos oficiais, os quais propiciam o flagelo humano. Não acreditamos em um “novo normal” – tentativa de “uma nova normalidade” diante das diversas dissonâncias – e sim, na vida que segue.  Nosso lema se constitui da seguinte máxima: fazer o que podemos de onde estamos, e com o que temos.

    As ciências marcadas pelo reprodutivismo materialista encontram dificuldades em lidar com o devir e perdem “o bonde da história” – o fio condutor da experiência efetivamente compartilhada – por não saírem de seus laboratórios e dos seus gabinetes. Está na matriz formadora de tal modelo de ciência, certo retardo em produzir respostas e, tardiamente percebem que poderia ter sido diferente e para melhor. Sim, vidas importam. Todas as formas de vida importam, inclusive a do planeta; por conseguinte, sem ele não há vida.

    A Pedagogia Social, por nós realizada, é uma forma diferenciada para lidar com os desafios da educação e da vida. Acreditamos que os desafios oriundos da vida ordinária têm múltiplas e complexas causas, e alternativas de superação. Portanto, a ciência que produzimos, traz em seu DNA científico, a marca da formação de educadores sociais, para a vida e pela vida. Nossa educação é sem fronteiras, solidária, complexa e aberta. Produzimos, através da engenharia humana reversa, um manancial de possíveis, através da qual cada um com sua expertise exerce o que pode e sabe.

    A ciência, como diz Ilya Prigogine, na Carta para as futuras gerações (1999), é um empreendimento coletivo. Eis a proposta.  

                                                                              Excelente leitura!

                                                                    Margareth Martins de Araújo

                                                                              Editora Executiva

    ISSN 2517-0974

     

  • PEDAGOGIA SOCIAL-EDUCAÇÃO SEM FRONTEIRAS
    v. 9 n. 1 (2020)

    EDITORIAL

    Bem-vindos ao nono número da Revista de Pedagogia Social (RPS-UFF), da Universidade Federal Fluminense! Em tempos de pandemia, de confinamento social, aceitamos o desafio de colocar no ar mais um volume da Revista, na qual escrevemos por resitência, e para não desitir. Somos a primeira revista de Pedagogia Social da América do Sul e a segunda do mundo, fato que nos coloca o desafio de ajudar a pensar, de forma teórico-prática a realidade atual, com base nas demandas da atualidade e nos pressupostos da Pedagogia Social.

    Que Pedagogia Social é essa que não se reinventa em momento de extremo desafio?  Para que serve a erudição se não socorre o cidadão? Marcada hora, é chegado o momento do trabalho solidário, voluntário e extraordinário. Nos reinventar é a palavra de ordem. Como aprendi com Vivian, aluna de uma CIEP em Duque de Caxias, Baixada Fluminense:" É preciso do nada tirar o infinito".

    Sob a perspectiva do momento atual enfrentado pela humanidade, somos compelidos à realização de um trabalho pautado em nossa expertise, ancorado onde estamos e com o que temos; na realização de uma Pedagogia Social à serviço da vida, em prol humanidade. Falamos sobre uma pedagogia que acolhe vidas, resgata pessoas, estabelece pactos e instaura poder.

    Para além do socorro material, a educação sem fronteiras, forjada no cadinho da sofrência humana, nos exorta ao amparo sócio-emocional contextualizado no acolhimento, na escuta e na orientação; de forma a tornar possível o impensado. Somos levados a nos reinventar e superar o momento atual com serenidade, equilíbrio, compromisso político, competência técnica e afeto.

    É na turbulência que derramamos o que há dentro da xícara. É exatamente o que há dentro de nós que colocamos para fora em situações como a que estamos vivendo. Por esse motivo escolhemos exortá-los ao exercício de reflexivo da produção textual, no intuito de oferecer o que temos de melhor na vida, pesquisa e trabalho.

    Desta feita, sob o título: PEDAGOGIA SOCIAL-EDUCAÇÃO SEM FRONTEIRAS, deve-se encontrar o potencial reflexivo que auxilie a pensar o mundo na e pós-pandemia. Unamos intelecto e emoção na produção teórico-prática de artigos que nos inspirem ao exercício de uma Pesadagogia Social à serviço da vida, em prol da humanidade.

    Ótima leitura!

                                                                               Margareth Martins de Araújo                                                                      

                                                                                        Editora Executiva

    ISSN 2517-0974

  • PEDAGOGIA SOCIAL E TRABALHO VOLUNTÁRIO
    v. 8 n. 2 (2019)

    EDITORIAL

     

    Bem-vindos ao oitavo número da Revista de Pedagogia Social (RPS), da Universidade Federal Fluminense! Em tempos de turbulência é preciso sonhar e, por esse motivo, os desafiamos aos tempos de oportunidades, do exercício cotidiano da superação, do ultrapassar barreiras e da construção de possíveis alternativas ou, no sentido freireano, do inédito viável. Como diz o dito popular: Em tempos de guerra uns choram e outros vendem lenços. Mais do que vender lenços, enxugamos lágrimas e apontamos para o futuro, a partir da possibilidade da escrita de outra biografia para os seres; um direito de todos.

    A Pedagogia Social nos ensinou que, o ser humano aprende com o corpo inteiro, e porque não lutar de corpo inteiro? Por sermos teórico-práticos, nos cabe à busca pela coerência entre o nosso falar e agir e, por isso, enquanto lutamos pelas políticas públicas se concretizem, lutamos-realizamos ações sociais a partir de onde estamos com o que temos e fazemos. A sofrência humana tem pressa e a Pedagogia Social ajudar, aprender e ensinar.

    O diálogo intelecto-emocional nos coloca diante de um antigo dilema: unir razão e emoção. A busca por esse exercício devolve nossa inteireza e traz, através do eixo corpo-mente, a possibilidade de colocar a ciência, por nós produzida, a favor da emancipação humana. Por falar em justiça social, acreditamos em políticas públicas sociais como direito dos excluídos.

    Desta feita abordaremos o tema: PEDAGOGIA SOCIAL E TRABALHO VOLUNTÁRIO, através de artigos, resenhas e relatos de experiências; reflexões acerca de um saber-fazer, cunhado em territórios de exclusão e sofrimento humano. Trata-se de um trabalho a ser realizado por muitos tocados pela urgência do momento e conhecedores de que é possível, de onde estamos fazer algo. Para os que realizam trabalho voluntário nada, ou quase nada custa, mas para quem recebe é muito. Em tempos de múltiplas vulnerabilidades, constata-se o exorto ao servir por indignação, resistência e compromisso, na busca sempre atenta, da construção de uma pedagogia conectada pela ESPERANÇA, pela ALEGRIA e produtora de VIDA.  

    Excelente leitura!

    Margareth Martins de Araújo

    Editora Executiva

    ISSN 2517-0974

     

  • Volume Extra: VI Congresso Internacional de Pedagogia Social
    v. 7 n. 1 (2019)

     

    EDITORIAL:

     

                                                                         Saudações Pedagógicas e Sociais!

     

    Bem-Vindos ao Volume Extra da Revista de Pedagogia Social da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense. Desta feita objetivamos socializar entrevistas realizadas pela equipe da RPS-UFF, em conjunto com o Grupo de Pesquisa em Pedagogia Social da UFF (PIPAS-UFF), por ocasião do VI CIPS. A generosidade acadêmico-epistemológica dos organizadores do Congresso, palestrantes e convidados, aqui se evidencia e, nos permite adentar na ambiência do encontro de cada um, no universo da Pedagogia social com suas interfaces no Brasil e no mundo.

    De dezenove a vinte e dois de setembro do corrente ano, nas dependências da Universidade Mackenzie, em São Paulo, teve lugar o VI Congresso Internacional de Pedagogia Social e Simpósio de Pós- Graduação: uma abordagem pedagógica para problemas e conflitos sociais. Os Congressos Internacionais de Pedagogia Social são organizados coletivamente por grupos de pesquisa sediados na USP, PUC/SP, Mackenzie e UNISAL em articulação com grupos sediados na UCB, Unicamp, UFPR, UFF, UFMS, UFPE, UFES/IFES e UEPG.

    Tendo se consolidado como o principal espaço de reflexão, discussão e produção da área de Pedagogia Social na América latina, para onde convergem a Educação Social, a Educação Popular e a Educação Comunitária, o CIPS abriga reflexões e proposições acerca de temáticas oriundas de uma sociedade permanente transformação. 

    O VI CIPS teve como objetivo, aprofundar a reflexão quanto ao papel da Pedagogia Social em constituir-se em uma resposta pedagógica à diversidade de ameaças, conflitos e disputas que ameaçam a sociabilidade humana em diversos contextos e partes do mundo. Fato que evidencia a atualidade e a necessidade crescente de uma Pedagogia que se afirme como social.

    No o VI CIPS e, em especial durante as entrevistas, detectamos que o trabalho de Pedagogia Social realizado no âmbito da FEUFF, guarda similaridade teórico-prática, com a Pedagogia Social realizada no mundo. As ações coordenadas de Ensino, Pesquisa e Extensão são reveladoras do nosso pertencimento a este grupo.

    Esperamos que a leitura, deste volume da RPS, funcione como inspiração e convite para abraçarmos em 2019 uma pedagogia que não ameace a sociabilidade humana, mas sim que construa ponte, diálogo, aceitação e conciliação entre os homens.

     

                                                                                          Excelente leitura!

                                                                                        Margareth Martins

                                                                                         Diretora Executiva

     ISSN 2517-0974

  • Pedagogia Social e a formação do educador social-pesquisador: POR UMA PEDAGOGIA RESTAURATIVA
    v. 7 n. 2 (2019)

    EDITORIAL

    Sejam bem-vindos ao sétimo número da Revista de Pedagogia Social (RPS), da Universidade Federal Fluminense. Neste dossiê abordaremos – em especial, através de artigos, resenhas e relatos de experiências – determinadas reflexões acerca da Pedagogia Social e a formação do educador social- pesquisador, sob a perspectiva de uma pedagogia que se faz restaurativa, sobretudo, ao exercitar a justiça cognitiva. Por justiça cognitiva compreendemos o esforço intelectual, realizado por educadores sociais, na busca de superação dos múltiplos vetores de exclusão dos quais crianças, jovens e suas famílias são vitimados. 

    A pedagogia restaurativa se apresenta como um antídoto pedagógico no enfrentamento do flagelo humano seja na escola, na sociedade ou no mundo. Ainda que há alguns anos assistimos aos crescentes índices de violência no mundo – é possível afirmar que a humanidade sequer teve um minuto de paz –,hoje, esse processo da banalização do mal eclode mais intensamente dentro das escolas, fazendo com que muitas instituições e seus atores sociais busquem a interlocução com a universidade, observando-se, ao seu turno, as múltiplas formas de violência como: bullying, agressões individuais e coletivas, indústria do ódio, automutilação, suicídio, drogas, banditismo e terrorismo, entre outros.

    Integrantes de uma cadeia de desesperança que assola não só a escola, mas o próprio mundo, nossos jovens deixam de sonhar, perdem o sentido da vida e constroem uma rota de fuga capaz de leva-los à própria destruição. Um processo de retroalimentação que exige de educadores uma busca frenética por superação.

    Há de se ter uma pedagogia que dialogue com as emergências de uma sociedade que assiste incrédula ao próprio desmonte.

    Excelente leitura!

    Margareth Martins de Araújo

    Editora Executiva

    ISSN 2517-0974

     

  • Pedagogia Social como Antidestino
    v. 5 n. 1 (2018)

    EDITORIAL

     

    Eis o quinto número da Revista de Pedagogia Social (RPS), da Universidade Federal Fluminense. Sejam bem-vindos! Neste, em especial, abordaremos, através de artigos, resenhas e relatos de experiências, uma fonte reflexiva sobre ser a Pedagogia Social um Antidestino. Em tempos de interdição de vários direitos como o de ir e vir, à educação, à saúde, ao trabalho e ao lazer, por exemplo, vivenciamos-assistimos, a trama contra o futuro de crianças, jovens, nação.

    O presente número trata de uma cartografia pedagógica-social que, nos permitirá observar, refletir e inferir temáticas oriundas das possibilidades da escrita de outras histórias para crianças, jovens e suas famílias. Trata-se de um grande desafio, pensar em uma pedagogia que através de um trabalho invisibilizado, desconsiderado e desacreditado, traga um diálogo emancipatório em tempos de turbulência.

    A presente edição trata a Pedagogia Social como ajuda humanitária pedagógica, como antidestino. Desse modo, cuida do socorro aos excluídos, porque foram apartados em tenra idade de um futuro digno. Refletir acerca do eixo educação-pobreza a partir da educação dos sentimentos em diálogo com a educação do intelecto torna-se fundamental. Propomos, em especial, uma nova agenda pedagógica compartilhada com as demais ciências.

     

    Excelente leitura!

     

    Margareth Martins de Araújo

    Editora Executiva

    ISSN 2517-0974

1 a 15 de 15 itens 1 2 > >>